BRASIL TU ÉS O QUE FIZEMOS DE VOCÊ

 

brasil obvious.jpg

Foram presos. Foram soltos. Foram mortos. Muitos de nós, embora ditos “tortos”. Culpa da justiça. Nem da lei, nem do juiz, nem do réu… Da justiça! Daquilo que representa a virtude e a felicidade da sociedade política (Aristóteles). Superamos, em muito, o romano Ulpiano para quem justiça seria “dar a cada um o que é seu”. Ora, o que é meu? Uma justiça patrimonial é iguaria nobre, que não pertence a ninguém. Se formos justos sob a perspectiva das posses, como ser justo com quem nada tem?

Brasil tu és o que fizemos de você.
Prendemos. Soltamos. Matamos. Cultuamos a violência que lamentamos. Desejamos a condenação sumária da nossa prudência. Perdemos, por prisão perpétua, a nossa condição de (ser)humano. Não nos enxergamos em nós, mas culpamos alguém. Justificamos as escolhas erradas, sem tomar consciência de que somos, dia a dia, fruto de escolhas também. Erramos. E perpetuamos a prática. Aperfeiçoamos a mágica. Cidadão é conceito único, mas não serve mais para o “cidadão de bem” – logo, hoje somos todos, enquanto não somos ninguém.

Brasil, disseram que eu devia deixá-lo. Disseram que você era um fracasso que não havia remédio que o curasse. Paciente em estado terminal, expectador da própria tragédia. Ora, somos as artérias cheias de sangue que lhe vitaliza e o gume que pela pele desliza lhe causando aquilo que o fere.

A contradição em lidar com o criminoso antes de lidar com o crime. Com o remédio antes de lidar com a saúde. Com a epidemia, antes do saneamento básico. Com a ignorância antes do ensino. Com o imediato antes do contínuo.

Nós somos o erro daqui. E erramos na tarefa de existir… A gente fica, vê se melhora um pouco, e deixa o Brasil partir.

Somos a antítese da virtude que clamamos:
Na fila, na escola, no banco, na carteira, no troco, na passagem, no estacionamento, na vaga, no trânsito, no sinal, na faixa, na vida, na carreira, na escolha, na renúncia, no silêncio, na conivência, na ignorância, na ausência, na estupidez, na nudez da nossa indiferença posto que somos o projeto da nossa existência, perplexos com a cultura que alimentamos na origem. Vilipendiamos aqueles que entendemos serem os únicos obrigados a agir com decência, na ilusão da nossa imunidade absoluta nunca concedida.

A desonestidade tem sido a nossa alma, enquanto a hipocrisia, a nossa essência.

Brasil, você deu certo. Nós é que demos errado. Abandone-nos, ou morra no mesmo barco.

 

 

 

 

[Igualmente publicado em Obvious.]

Anúncios

Comente sobre

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: